10.1.13

Karolayne na Balada - Parte dois




Quando chegamos em frente a boate Ângela já estava dançando animada. Para meu total constrangimento, todos ficaram nos olhando teve até uma garota loira que falou para a amiga morena ao seu lado:
- Nossa acho que essas daí nunca vieram para a balada, amiga!
Não sabia onde enfiar a cara. Mostrei a pulseirinha para o segurança e entrei na boate admirada pala quantidade de pessoas que já dançavam animadas.
- Amiga! Vamos encher a cara gata! – gritou Ângela já dançando a um ritmo frenético de um funk para lá de pervertido.
- Nossa nem bem chegou e já quer beber? – pergunto bancando a minha mãe.
- Nem começa Karolayne!
Pega em minha mão e me arrasta para o bar onde compra duas cervejas. Começo a tomar meio enojada pelo gosto mais não é que depois começa a ficar bom! Atécomecei a dançar com o calorzinho que a bebida dá.
Estávamos dançando quando dois garotos chegaram na gente. Confesso que já comecei a ficar com medo. E se a Ângela inventasse de me jogar para algum deles? Naquele momento não me sentia preparada para dar meu primeiro beijo. E daí que era só beijar e virar as costas? Eu não era assim, para mim tudo que fosse feito pela primeira vez teria de ser especial.
Dou um passo para o lado meia nervosa quando o garoto loiro me puxa pela cintura e me entrega um copo com um líquido transparente cheio de gelo.
- Toma gata! – grita no meu ouvido- deve estar maravilhoso.
Depois começa a dançar me puxando junto com ele e vai chegando cada vez mais perto para meu total terror.
Estou prestes a gritar quando alguém bate no ombro do garoto:
- Deixa a mina em paz cara ela ta comigo!
O garoto se afasta e eu ergo a cabeça em busca do meu salvador já que Ângela como já era de se esperar e para minha maior raiva estava se agarrando com o amigo do tarado.
Surpreendo-me ao perceber que era Henrique, um garoto que estudou comigo no ano anterior. Sorriu em agradecimento quando ele se aproxima para me dar um beijo no rosto.
- Oi – diz me dando o beijo que me deixa meia constrangida.
- Oi – repondo tomando um gole de cerveja para ver se paro de ofegar como se estivesse correndo uma maratona.
- E ai, aproveitando muito as férias antes da faculdade?
- Sim – tomo outro gole de cerveja.
- Vai fazer jornalismo mesmo? - pergunta se aproximando mais de mim na pista.
 - Vou, no próximo mês já vou me matricular e você?
- Também vou me matricular no próximo mês e também vou fazer jornalismo.
- Que legal! – exclamo feliz por ter um gato como Henrique estudando comigo – vamos estudar juntos então!
- Sim, você é um dos motivos para eu estudar jornalismo.
- Eu?!
- É você sempre falou com tanta paixão dessa faculdade que resolvi fazer o teste vocacional e acabei gostando.
- Legal – falo desanimada. Eu já estava imaginando que era porque ele gostava de mim essas coisas.
Eu e Henrique ficamos dançando um bom tempo, e eu acabei tomando mais duas cervejas, motivo pelo qual já estava dançando muito animada. Ate já estava puxando Henrique pelo colete para mais perto de mim.
Somente quando horas depois vim escrever aqui é que percebi como estava assanhadinha.
Ângela mais uma vez tinha me deixado abandonada, já não bastava na fazenda que havia ficado se agarrando com Patrick, agora estava dançando também bem assanhada com o amigo do tarado. A única diferença entre a gente é que ele se empolgava e beijava o garoto e eu apesar de já bêbada não tinha a mesma coragem.
- Já te falei que você é muito gata Karolayne? – perguntou Henrique me puxando pela cintura.
- Não!- respondi ainda empolgada.
- Pois agora já sabe!- eu não estava esperando por aquilo, como já tinha escrito anteriormente queria que meu primeiro beijo fosse especial. Mais acabou que não foi porque Henrique estragou meus sonhos românticos me beijando no meio da pista de dança.
Eu já estava empolgada com a bebida e também não pensei em meus sonhos românticos na hora porque passei meus braços em volta de seu pescoço e retribui.
Não sei explicar se foi bom ou ruim porque eu o afastei bruscamente.
- O que foi Karolayne? – perguntou espantado.
- Nada- respondi dando uma risada constrangida.
- Então vem aqui! – me puxou novamente enquanto dançávamos.
Ângela voltou para perto de mim. Deve ter visto minha empolgação com Henrique. Chegou perto de mim e me puxou pela mão. Batendo palma empolgada. Percebi que ela também deveria estar bêbada pelo modo como anunciou para quem quisesse ouvir:
- Aê Karolayne finalmente resolveu ficar com alguém!
Henrique me olhou zombeteiro me puxou me beijando de novo enquanto a apatetada da Ângela batia palmas como uma criança que ganhou um doce da professora.
Afastei Henrique com um empurrão e passei por Ângela como um furacão saindo da boate com lágrimas nos olhos e me sentando no meio fio da rua jogando os sapatos caros da minha mãe ao meu lado e apoiando a cabeça nos joelhos.
Estava arrasada (ainda estou). Para começar eu não devia ter bebido e para terminar não deveria ter beijado Henrique. Somente quando ouvi as palmas da Ângela percebi a minha burrice. Eu tinha sonhos românticos com meu primeiro beijo há muito tempo, deixei isso de lado porque acabei me empolgando demais.
Henrique era bonito com certeza! Era o garoto mais popular da sala e já havia fantasiado não sei quantas vezes como seria ficar com ele.
Mais não em uma boate com um monte de gente em volta com um barulho ensurdecedor junto com minha amiga que só me fazia pagar mico e ainda por cima estava ficando com meu irmão e traindo ele com um qualquer.
Revoltada juntei os sapatos e atravessei a rua pegando um taxi para casa com meus olhos ardendo.
Cheguei em casa tomei banho e vesti meu pijama dos ursinhos carinhosos enquanto me escondia embaixo das cobertas revoltada.
Não estou falando com Ângela de novo. Henrique me ligou três vezes e publicou no meu mural no facebook. Não quero falar com ninguém e estou na fossa mesmo.




 



6 comentários:

  1. Adorei... Muito legal o texto.
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
  2. Muito criativo o texto, interessante a construção.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom.... adorei o texto..
    Beijo mila

    ResponderExcluir
  4. Adoro quando vejo a moçada escrevendo com tanta fluência assim...Parabéns pela iniciativa...

    ResponderExcluir