1.7.14

Desculpa Moço...

Sabe moço, você apareceu na minha vida de uma forma inesperada, em um momento de solidão, quando eu acreditava que ninguém nunca seria capaz de me amar, mas dai veio você, com seu jeito manso e tímido e foi me tirando da concha aos poucos, fazendo com que eu sorrisse em meus piores dias.
Não demorou muito para querer me encontrar e viu mais em mim do que qualquer outro, me beijou e não foi o melhor beijo do mundo, durante o beijo descobri a falta de simetria e a ausência de borboletas, me vi pensando nele e se o beijo dele me faria mais feliz.

Desculpa moço, mas meu coração não bateu mais rápido por você, não foi o seu sorriso que ficou em minha memória e não foi o brilho de seus olhos que marcou aquela semana chuvosa. Tudo o que eu queria fazer quando estava com você era fugir, porque seus braços em volta de mim não me protegeram como os dele e seus dedos entrelaçados nos meus não espantaram o medo dos trovões como os dele faziam.

Eu sou uma garota má por falar isso, mas também sou uma garota medrosa. Depois do fora que levei dele eu não suportaria outro. Eu não estou pronta para amar alguém e esse alguém ir embora, eu também não posso amar outro alguém enquanto o brilho dos olhos dele permanecerem em minha memória. Desculpa moço, mas eu preciso dizer não e te deixar partir como os outros. O amor é complicado e meu coração machucado demais para abrigar outra desilusão.


Um comentário:

  1. Nossa!! Gostei muito do texto.
    Em uma situação assim, essas são palavras que só podem ser ditas por alguém com tranparência, sinceridade e respeito.

    ResponderExcluir